Fake News: Métodos de verificação e avaliação de informação e desinformação
(CCPFC/ACC-105486/19)

   

Modalidade:

 Curso de formação
   

Duração:

 25 horas presenciais
   
Destinatários:  Educadores de infância e professores dos ensinos básico e secundário e educação especial
   
Formadores:  José António Moreira
   
Local de realização:  Turma 1 AE Gonçalo Mendes da Maia
   
Turma prevista:  Turma 1 AE Gonçalo Mendes da Maia
   
Critérios de seleção:  Turma 1 AE Gonçalo Mendes da Maia
   
::::::::::::::::::::::::::::: PROGRAMA DA AÇÃO ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
   
Objetivos: No final do curso, os formandos devem possuir as seguintes competências:
- Compreender os fundamentos do jornalismo na era digital;
- Identificar uma notícia falsa;
- Identificar e conhecer os tipos de desinformação existentes no ambiente digital;
- Identificar e conhecer os tipos de regulação da informação na era digital;
- Saber usar métodos e ferramentas de identificação de notícia falsas;
- Utilizar as ferramentas e saberes adquiridos na prática letiva.
   
Conteúdos:

- Apresentação da ação (1 hora)
- Conceito de comunicação (1 hora)
- Conceito de informação (1 hora)
- Conceito de notícia (1 hora)
- Conceito de desinformação (1 hora)
- Ética, deontologia e código deontológico dos jornalistas (1 hora)
- Fake News (desinformação) (4 horas)
- Old News (notícia antigas ou requentadas) (2 horas)
- Deep Fake (falsificação profunda / material vídeo e/ou áudio falso ou manipulado) (2 horas).
- Fact checking (2 horas)
- Método de análise e avaliação da informação. Critérios e ferramentas (3 horas)
- Jornalismo e a Educação para os média (4 horas)
- Avaliação de ação e dos formandos (2 horas)

   

Metodologia:

Formação assente numa organização sequencial lógica e funcional.
Sessões teórico-práticas com recurso aos métodos:
- Expositivo (participado),
- Interrogativo,
- Demonstrativo,
- Case-study.
- Trabalho prático com base na descoberta e role-playing.
   

Avaliação dos
formandos:


Os formandos serão avaliados nos termos definidos pelo Decreto-lei nº 22/2014 e Despacho n.º 4595/2015, tendo em conta os seguintes parâmetros/critérios: participação nas sessões presenciais e relatório individual de reflexão crítica, de acordo com o definido no Regulamento Interno do CFAE maiatrofa.